Homicídio LGBT: Polícia prende 4 envolvidos em crime de Itapemirim

           Foto: Anna – O homem que fez cirurgia de mudança de sexo, foi morto por ser uma testemunha crucial de um homicídio ocorrido contra seu parceiro, em Piúma, em 2018.
4 envolvidos na morte de um homem conhecido como Anna, foram detidos nessa segunda-feira (23/05). Durante a operação denominada “ANNA”, realizada por policiais civis da 9ª Delegacia Regional de Itapemirim, em parceria com a Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ), e com o apoio das Guardas Municipais de Itapemirim e Marataízes. As prisões aconteceram em Araruama, na Região dos Lagos, no Estado do Rio de Janeiro; em Iriri, no município de Anchieta; e em Marataízes.

Segundo o chefe da 9ª Delegacia Regional de Itapemirim, delegado Djalma Pereira Lemos, a vítima Anna de 28 anos, foi alvo de vários disparos de arma de fogo, na madrugada do dia 2 de maio, no bairro Maraguá, em Itapemirim. O ativista LGBT foi encontrado abandonado e sem documentos de identificação.

“Realizamos a identificação da vítima, por meio de coleta de depoimento de testemunhas e familiares, e depois identificamos o veículo utilizado pelos meliantes para levar o homem ao local de sua execução. A vítima, ao sair com os autores do crime, temia ser morto e ligou para um familiar, avisando que estaria saindo com pessoas suspeitas”, disse o delegado.

De acordo com o delegado, o homem que fez cirurgia para mudança de sexo, foi atraído no município de Anchieta e levado para o bairro Maraguá, em Itapemirim, onde foi executado e abandonado.

“A vítima seria testemunha de acusação, em um júri que seria realizado no dia 04 de maio, a respeito de um homicídio de 2018, que ocorreu na Ilha dos Gambás, em Piúma. No dia do crime, o parceiro dele foi executado com um tiro na nuca, enquanto eles estavam tendo relação sexual. Na época, ele conseguiu escapar dos tiros e reconheceu os suspeitos. Ele foi morto para que não testemunhasse nesse processo”, relatou o delegado.

Ainda segundo Lemos, ao todo, cinco suspeitos foram identificados no crime, até o momento. “Dois irmãos ‘pistoleiros’ de Araruama, no Rio de Janeiro, que vieram ao Estado a pedido e intermédio de seu irmão de criação que morava em Marataízes, um segurança que trabalhava em uma loja comercial e tinha um terreno próximo ao local onde a mulher foi morta. Os três ainda contrataram uma quarta pessoa, dona do veículo utilizado no crime. O quinto envolvido seria o pai do outro homem, morto em 2018. Ele não aceitava o relacionamento homossexual dos dois”, contou.

Os suspeitos responderão por homicídio qualificado. Após o cumprimento de mandado de prisão temporária, os três suspeitos detidos em Anchieta e Marataízes foram encaminhados ao sistema prisional capixaba. Já o suspeito detido no Rio de Janeiro, foi recambiado pela equipe da 9ª Delegacia Regional de Itapemirim, para o Estado do Espírito Santo.

As investigações continuam com intuito de deter o quinto suspeito, que está foragido no Estado do Rio de Janeiro. “Divulgamos a foto do quinto indivíduo para a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, que está sendo procurado por nossos colegas do Rio de Janeiro”, afirmou o delegado.

 

fonte: Sesp

Sobre Direto Noticias

Portal Direto Noticias - Imparcial, Transparente e Direto. https://diretonoticias.com.br - Notícias de Guarapari, ES e Brasil. Ative as notificações ao entrar e torne-se um seguidor. Caso prefira receber notícias por email, inscreva-se em nossa Newsletter, ou em nossas redes.

Veja Também

Documento apresenta parâmetro para que gestores levem Internet adequada às escolas públicas

Qual a velocidade de banda larga ideal para garantir a realização de atividades pedagógicas nas …