A Ditadura do “Politicamente Correto” – Censura Velada ou Ditadura da Opinião

“Politicamente Correto” e “CORRETO” não são a mesma coisa.

 

O que deveria ser “Politicamente Correto”?

 

Antes de mais nada, é preciso ter a sabedoria, de tomar cuidado com quem fala o bonito na frente, no intuito de conseguir espaço e credibilidade falsa, para fazer o abominável por trás. A princípio o “Politicamente Correto” visa gerar a “espiral do silencio”, calando por meio de uma censura velada, disfarçada de patrulha de opinião, todos os seus antagonistas e divergente, ao se auto proclamar o detentor exclusivo do monopólio do bem, da verdade e da justiça social. E dessa forma, finge e alega defender as pessoas, tomando para si de forma impositiva e auto proclamada, o monopólio da verdade suprema, se apropriando muitas vezes indevidamente, e sem o aval de todos os que eles alegam defender, de suas causas, lutas e bandeira de grupos, como de mulheres, negros, nordestinos, islâmicos, umbandistas, lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgênero, etc… Dessa forma, agindo supostamente falando de forma arbitraria e totalitária, em nome de todos. Muitas vezes, até mesmo indo de contra contra, aqueles que afirmam defender e representar, de forma agressiva, preconceituosa e violenta, caso esses, não sigam suas agendas politico-ideológicas.

 

O que realmente desejam, os bastidores da ditadura do “Politicamente Correto”?

 

Sob o mesmo ponto de vista, o que se observa de fato e na prática, é que o alegado “Politicamente Correto”, em seu exercício cotidiano, é uma censura ideológica, que impõem uma única linha monocromática e determinista de pensamento. Nesse sentido, ditando de forma autocrática e totalitarista, normas absolutistas como uma regra única e impositiva. Em outras palavras, determinado o que se pode ou não, pensar, falar, achar, dizer e se expressar. Com isso, impedindo a livre manifestação intelectual de credo religioso, ideológico e filosófico. No entanto, sempre agindo com dois pesos e duas medidas onde, se alguém que siga a cartilha ou agenda politico ideológica partidária deles, quando transcreva a ditadura do “Politicamente Correto”, eles, “os auto-alegado portadores do monopólio do bem e da verdade”, sempre relevam, por mais grave que seja. No entanto, se alguém que não siga a agenda deles, cometa uma pequena transgressão, ou gafe, que não seja absolutamente nada, ou apenas manifeste uma simples e despretensiosa opinião divergente, será crucificado(a), execrado(a) ou como se atualmente diz “”cancelado(a)” desumanizando uma pessoas, um ser humano, apenas por ter suas próprias opiniões, e pensar com sua própria cabeça. E muitas vezes, tais pensamento não tem absolutamente nada de agressivo ou violento. Sendo apenas, pensamentos que não estão alinhados com agendas ligadas a pensamento hegemônicos ideológicos.

O que a ditadura “Politicamente Correto” realmente gera no inconsciente coletivo da sociedade?

De antemão, o “Politicamente Correto” em outras palavras é a aplicação da teoria da “Espiral do Silencio”, que visa gerar a indisposição para manifestar opiniões contrarias aos seus interesses. Dessa forma, impondo a “sua verdade” como a única permitida a ser tolerada. E com isso, calando a população, a oposição, os antagônicos, e os divergentes. Em outras palavras, o nome de disso é “censura”. Ou melhor, uma auto-censura, e um auto-policiamento do que não se pode falar, não se pode expressar, e nem sequer se pode pensar.

 

Definitivamente, a ditadura do “Politicamente Correto” e “CORRETO”, não são a mesma coisa. Pois a beleza e a riqueza do ser humano, está exatamente na diversidade, na pluralidade e na multiplicação das correntes cientificas, filosóficas, ideológicas, religiosas e culturais. E jamais, em uma imposição de um monopensamento totalitarista, autocrático ideológico, como verdade “una” e inquestionável.

Dessa forma, VIVA A PLURALIDADE INTELECTAL, E A VERDADEIRA DIVERCIDADE CULTURAL. Respeitando sempre a divergência, opinião de todos, inclusive o principio do contraditório. Desde de que, haja sempre respeito, educação e ética. E que não haja, a maliciosa desonestidade intelectual da “Espiral do Silencio” disfarçada e renomeada de “Politicamente Correto”. E acima de tudo, que não se venha com essa má fé retorica, que se a pessoa não pensa como um determinado grupo foi doutrinado a pensar, a pessoa que pensa diferente, não estaria pensando. Por último, respeitemos pois, a opinião de todos, sem os tais “donos da verdade suprema”, e portadores do “monopólio da bondade virtuosa”, que falam em nome de tudo, e de todos, e nem de fanatismos dogmáticos hegemônicos, que já levaram de forma arbitraria, ao extermínio de milhões de seres humanos, apenas por querem pensar com suas próprias cabeças. Definitivamente a liberdade e a vida humana, não se negociam. Afinal, os milhões que morreram, em nome da liberdade de pensamento, servem como um alerta.

Compartilhe essa publicação, clicando nos botões abaixo:

Sobre Marcelo de Medeiros

Articulista no portal Direto Notícias - Todo o conteúdo criado e publicado por mim, é de minha inteira responsabilidade. Artigos de opinião e notícias checadas e publicadas por mim, não expressam necessariamente a opinião do Direto Notícias, ou sua posição.

Veja Também

Dicas para empreender em Portugal

Dicas para empreender em Portugal

Portugal tem se destacado como um destino atrativo para empreendedores estrangeiros, mas iniciar um negócio …